Experiências com feedback em bibliotecas universitárias

De 2012 a 2015 trabalhei na biblioteca de uma instituição de ensino superior. Fui gestor de uma equipe de cerca de 18 pessoas — pessoas com deficiência, menores aprendizes, estagiários e o bom e velho auxiliar de biblioteca — em sua maioria com ensino médio e sem formação na área. Apesar de já ter escrito sobre desenvolvimento de pessoas, percebi recentemente que nunca havia comentado minhas experiências com uma ferramenta muito útil e por vezes mal compreendida: o feedback. Continue reading “Experiências com feedback em bibliotecas universitárias”

Mudança em bibliotecas

Na última quarta-feira ocorreu a primeira atividade do Ciclo de Formação Continuada: Gestão promovido pela Associação Rio-Grandense de Bibliotecários (ARB) — sobre quem preciso escrever logo. O Ciclo, como um todo, é uma proposta para aproximar as pessoas da Biblioteconomia a temas que tenham sido vistos superficialmente durante a graduação, além, é claro, de aproximar pessoas com interesses em comum. Continue reading “Mudança em bibliotecas”

Onde errei, ou, Não sou mais um bibliotecário universitário

Apesar de dramático — e muito dramático —, não resisti em aproveitar o título de um texto que traduzi em abril, do Tim O’Reilly. Nele, o autor — bem sucedido! — comenta os pontos em que poderia ou devia ter melhorado na gestão de seus negócios. No meu caso, contudo, o nome serve para documentar minha demissão (ou desligamento, conforme a terminologia dominante) do cargo de bibliotecário de uma grande instituição de ensino superior, onde atuei por três anos gerenciado cerca de quatro bibliotecas e cerca de 18 pessoas. Me refiro a “cerca de” não por falta de certeza, mas por entender que aquele era um local de mudanças rápidas, de crescimento feroz e alterações constantes. Continue reading “Onde errei, ou, Não sou mais um bibliotecário universitário”

O Gestor recém-formado

Há algum tempo atrás uma professora da faculdade me solicitou um depoimento sobre como eu me senti gerenciando uma biblioteca na condição de recém-formado — pontos de segurança e insegurança, o que havia de contraste entre a faculdade e a vida profissional. Talvez este relato não seja muito adequado ao que ela solicitou pontualmente, mas escrevo de qualquer forma. Lembrando: logo depois de formado já escrevi um texto semelhante, mas com outro enfoque. Continue reading “O Gestor recém-formado”

Trabalhando em uma biblioteca universitária: gestão de pessoas e demissão/desligamento

Faz algum tempo que não escrevo aqui. Então, para quebrar o gelo, por que não falar de trabalho? Como comentei em outras postagens (1, 2), trabalho em uma biblioteca universitária — gerindo com outro bibliotecário, e com uma equipe relativamente grande (11 pessoas, além dos dois bibliotecários), em uma biblioteca que não estava com seus processos muito bem formalizados. Hoje eu gostaria de falar um pouco sobre a gestão de pessoas lá de onde eu trabalho. Continue reading “Trabalhando em uma biblioteca universitária: gestão de pessoas e demissão/desligamento”